A História da Farmácia é um tema abrangente e que envolve diferentes campos de conhecimento, interesses e enfoques. Elegemos aqui alguns estudos que podem contribuir para o aprofundamento de questões relacionadas a este universo temático.


Albernaz, Paulo Mangabeira. A Escola Paulista de Medicina: notícia histórica dos primeiros 25 anos. São Paulo: Escola Paulista de Medicina, 1968.

ALMEIDA, Carla Berenice Starling de. Medicina mestiça: saberes e práticas curativas nas minas setecentistas. 1. ed. São Paulo: Annablume, 2009. v. 1.

ALVES, Olga Sofia Fabergé. Farmacêuticos diplomados e algumas estratégias de institucionalização da farmácia em São Paulo (1892-1934). São Paulo, 2011. Dissertação de mestrado defendida junto ao Programa de História Social da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

BARROS, J.A.C. Os novos caminhos da medicalização? In: BARROS, J.A.C. Os fármacos na atualidade. Antigos e Novos desafios. Brasília: Anvisa, 2008.

BARROS, J.A.C. A propaganda de medicamentos: atentado à saúde? São Paulo: Hucitec/Sobravime, 1996. 222 p.

BENCHIMOL, Jaime & TEIXEIRA, Luiz Antônio. Cobras, lagartos e outros bichos: uma história comparada dos Institutos Oswaldo Cruz e Butantan. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1993.

BERMUDEZ, Jaz. Indústria farmacêutica, estado e sociedade. São Paulo: Hucitec/Sobravime, 1995. 204 p.

BERTUCCI, Liane Maria. Remédios, charlatanices... e curandeiros: práticas de cura no período da gripe espanhola em São Paulo In CHALHOUB, Sidney et al (org.) Artes e ofícios de curar no Brasil, Campinas: ed. Unicamp, 2003. p.197-227.

CALAINHO, Daniela Buono. Jesuítas e medicina no Brasil colonial. Tempo. Revista do Departamento de História da UFF, Rio de Janeiro, 2005, v. 10, n. 19, p. 61-75.

CAMPOS, M.A.P. Perfil do ensino farmacêutico no Brasil. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, 1966. 143 p.

CAMPOS, M.A.P. A vida da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP: notas históricas. São Paulo, USP, 1984.

CAPANEMA, Luciana Xavier de Lemos. A indústria farmacêutica brasileira e a atuação do BNDES. Disponível em: <https://web.bndes.gov.br/bib/jspui/handle/1408/2591> acessado em 20/8/2016

CARNEIRO, Henrique. Filtros, mezinhas e triacas: as drogas no mundo moderno. São Paulo: Xamã, 1994

CARRARA JÚNIOR, E.; MEIRELLES, H. A indústria química e o desenvolvimento do Brasil. São Paulo: Metalivros, 1996.

CASA NOVA, Vera Lúcia. Almanaques de farmácia (1920...). Cadernos de linguística e teoria da literatura, Belo Horizonte, n. 8, 1982, p. 53-65.

CHALHOUB, Sidney et al (org.). Artes e ofícios de curar no Brasil. Campinas (SP): Ed. Unicamp, 2003. 440 p. Campinas: Ed. Unicamp, 2003.

CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO PARANÁ - CRF-PR. Guia da profissão farmacêutica. Ed. 1 – 2015. Disponível em: <http://www.crf-pr.org.br/uploads/tiny_mce/files/guia_conhecendo_a_profissao_farmaceutica.pdf> acessado em 20/8/2016

CORDEIRO, B.C., LEITE, S.N. (org.). O farmacêutico na atenção à saúde. Ed. Univale, Itajaí: 2008.

CYTRYNOWICZ, M.M. Origens e trajetórias da indústria farmacêutica no Brasil. São Paulo: Narrativa Um, 2007. 192 p.

Dantes, Maria Amélia M. (org.). Espaços da ciência no Brasil. 1800-1930, Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2001.

Dantes, Maria Amélia M. As ciências na história brasileira, Cienc. Cult., vol. 57, nº 1, São Paulo, Jan./Mar. 2005. Disponível em: <http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?pid=S0009-67252005000100014&script=sci_arttext> acessado em 20/8/2016

DIAS, José Pedro Sousa. A Farmácia e a história: uma introdução à história da farmácia, da farmacologia e da terapêutica. Lisboa, 2005. Disponível em: <http://leg.ufpi.br/subsiteFiles/lapnex/arquivos/files/Farmacia-e-Historia.pdf> acessado em 30/8/2016

EDLER, Flavio Coelho. Boticas & farmácias – uma história ilustrada da farmácia no Brasil, Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2006.

FONTOURA, Cândido. A Farmácia no Brasil. [São Paulo] s.c.p. [1932].

FONTOURA, Cândido. A saúde pública e as farmácias. São Paulo: Sociedade Impressora Paulista, s.d.

FIGUEIREDO, Betânia Gonçalves. A Arte de curar. Cirurgiões, médicos, boticários e curandeiros no século XIX em Minas Gerais. Rio de Janeiro: Vício de Leitura, 2002.

Gambeta, Wilson Roberto. dez. 1982-mar. 1983 Ciência e indústria farmacêutica — São Paulo, Primeira República. Estudos Econômicos, vol. 12, n. 3, p. 87-98.

GAMBETA, Wilson Roberto. Soldados da saúde: formação dos serviços em saúde pública do estado de São Paulo, São Paulo, Dissertação de Mestrado, Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 1988.

GOMES, Mario Luiz. Vendendo saúde: revisitando os antigos almanaques de farmácia. História, ciências, saúde: Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 13, n. 4, 2006, p. 1.007-1.018. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/hcsm/v13n4/11.pdf> acessado em 5/9/2016

Gomes, Renata, Pimentel, Vitor, Lousada, Márcia, Pieroni, João Paulo. O novo cenário de concorrência na indústria farmacêutica brasileira. Disponível em: <http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/bnset/set3903.pdf> acessado em 5/9/2016

Kornis, George E. M., Braga, Maria Helena, Zaire, Carla Edialla F. Os marcos legais das políticas de medicamentos no Brasil contemporâneo (1990-2006). Disponível em: <http://www.ufjf.br/nates/files/2009/12/085-099.pdf> acessado em 5/9/2016

Lacaz, Carlos da Silva. Faculdade de medicina: reminiscências, tradição, memória de minha escola. São Paulo: Ed. do Autor, 1985.

LE COUTEUR, P. BURRESON, J. Os botões de Napoleão – As 17 moléculas que mudaram a história, Jorge Zahar, 2006.

LE GOFF, Jacques (org). As doenças têm história. Lisboa: Terramar, 1985.

LORANDI, Paulo Angelo. Análise histórica da formação acadêmica do farmacêutico – quatro décadas. Conselho Federal de Farmácia, Revista Infarma, v. 18, n. 7/8, 2006. Disponível em: <http://www.cff.org.br/sistemas/geral/revista/pdf/13/inf07a12.pdf> acessado em 5/9/2016

MACHADO, Marcelo Oliano, ROSSI, Ednéia Regina, NEVES, Fátima Maria. O discurso educacional e o Almanaque do Biotônico Fontoura: por entre práticas de leitura e a produção de uma representação do sertanejo (1920-1950). Revista HISTEDBR On-Line, Campinas, n. 45, 2012, p. 78-88.

MELLO FILHO, Américo Brasiliense. Terceira memória histórica da Escola de Farmácia, Odontologia e Obstetrícia de São Paulo. São Paulo: Duprat. 1909.

MINAMI, Paulo (org.). Cronologia histórica da Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2004. Disponível em <http://www.sti.fcf.usp.br/Apresentacao/Cronologia/Cronologia.pdf> acessado em 5/9/2016

MOTT, Maria Lúcia, ALVES, Olga Sofia Fabergé. Farmacêuticas em São Paulo. Boletim do Instituto de Saúde (BIS), 2006; 24-38. Disponível em: <http://www.saude.sp.gov.br/resources/instituto-de-saude/homepage/bis/pdfs/bis_n38.pdf> acessado em 25/8/2016

PACHELLI, Carlos Alberto. A propaganda de medicamentos e a prática da automedicação no Brasil. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 37, n. 2, 2003, p. 409-425.

PIMENTA, Tania S. Artes de curar no Brasil do começo do século XIX – um estudo a partir dos documentos da fisicatura-mor [dissertação]. Campinas (SP): Unicamp; 1997. Disponível em: <http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000118425> acessado em 25/8/2016

PORTER, Roy. Das tripas coração: uma breve história da medicina (trad. Vera Ribeiro). Rio de Janeiro: Record, 2004.

Ribeiro, Márcia Moisés. A ciência dos trópicos: a arte médica no Brasil do século XVIII. São Paulo: Hucitec, 1997. 150 p.

RIBEIRO, Maria Alice Rosa. História sem fim... inventário da saúde pública, São Paulo, 1880-1930. São Paulo: Editora Unesp, 1993.

RIBEIRO, Maria Alice Rosa. Saúde pública e as empresas químico-farmacêuticas. História, Ciências, Saúde. Manguinhos, vol. VII (3): 607-626, nov. 2000-fev. 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702001000600003> acessado em 5/9/2016

RODRIGUES, J., org., NEMI, ALL., LISBOA, KM., BIONDI, L. A Universidade Federal de São Paulo aos 75 anos: ensaios sobre história e memória [online]. São Paulo: Unifesp, 2008. Bibliografia e fontes. p. 259-279. Disponível em: <http://books.scielo.org/id/hnbsg/pdf/nemi-9788561673833-11.pdf> acessado em 25/8/2016

ROZENFELD, S. Farmacêutico: profissional de saúde e cidadão. Ciência & Saúde Coletiva, 13 (supl.): 561-568, 2008.

SANTOS, Nadja Paraense dos. Os primeiros laboratórios químicos do Rio de Janeiro – estudo do Departamento de Química Orgânica do Instituto de Química da UFRJ, Rio de Janeiro. Disponível em: <http://www.memoriasdaquimica.ccs.ufrj.br/txt/npds.pdf> acessado em 5/9/2016

SANTOS, Nadja Paraense dos, 2004, Laboratório químico-prático do Rio de Janeiro: primeira tentativa de difusão da química no Brasil, Química Nova, 27(2), 342-348. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0100-40422004000200030> acessado em 5/9/2016

SANTOS FILHO, Lycurgo de Castro. Farmácia, farmacêuticos, medicamentos. In: História geral da medicina brasileira. São Paulo: Hucitec/Edusp, 1991, v.2, p. 363-387.

SANTOS FILHO, Lycurgo de Castro. História da medicina no Brasil. São Paulo: Editora Brasiliense, 1947.

SOUZA, Ana Maria e BARROS, Silvia Berlanga de Moraes. O ensino em farmácia. Revista Pro-Posições - vol. 14, n. 1 (40) - jan./abr. 2003.

SOUZA, Laura de Mello e. Curas mágicas e sexualidade no século XVIII luso-brasileiro. Revista USP, v. 1, p. 68-75, 1996.

TEMPORÃO, José Gomes. A propaganda de medicamentos e o mito da saúde. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

TRIZOTTI, Patrícia Trindade. Almanaques: história, contribuições e esquecimento. Dialogus, Ribeirão Preto, v. 4, n. 1, 2008, p. 307-314. Disponível em: <https://www.baraodemaua.br/comunicacao/publicacoes/dialogus/2008/pdf/almanaques_historia_contribuicoes_esquecimento_2008.pdf> acessado em 5/9/2016

VALDUGA, C.J. A indústria farmacêutica: uma breve história. Revista de Pesquisa e Inovação Farmacêutica, São Paulo, v. 1, n. 1, ago./dez. 2009, p.40-52. Disponível em: <www.pgsskroton.com.br/seer/index.php/RPInF/article/download/176/163> acessado em 5/9/2016

ZUBIOLI, Arnaldo. Ética farmacêutica. São Paulo: Sociedade Brasileira de Vigilância de Medicamentos, 2004. 396 p.

WEBER, Beatriz Teixeira. As artes de curar. Medicina, religião, magia e positivismo na República Rio-Grandense – 1889-1928, Bauru/Santa Maria, Edusc/ UFSM, 1999.

Copyright 2015 © | Todos os direitos reservados

Topo